Make your own free website on Tripod.com

EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL (EPI)

     O equipamento de proteção individual (EPI) é um instrumento de uso pessoal cuja finalidade é neutralizar a ação de certos agentes que poderiam causar lesões ao trabalhador e protegê-lo contra possíveis danos à saúde, causados pelas condições de trabalho.

     O EPI deve ser usado como medida de proteção quando:
- não for possível eliminar o riscos através da utilização de equipamentos de proteção coletiva;
- for necessário complementar a proteção individual;
- em trabalhos eventuais e em exposições.
     De qualquer forma, o uso de EPI deve ser limitado, procurando-se, primeiro, eliminar ou diminuir o risco com a adoção de medidas de proteção geral. Quando seu uso for inevitável, faz-se necessário tomar certas medidas quanto à sua seleção e indicação, pois o uso e fornecimento dos EPIs é disciplinado pela NR-6 (VEJA A NORMA NA ÍNTEGRA).  A seleção deve ser feita por pessoal competente, conhecedor não só do equipamento, como também das condições em que o trabalho é executado. É preciso conhecer as características, qualidades técnicas e principalmente, o grau de proteção que o equipamento deverá proporcionar.


1 - CARACTERÍSTICAS E CLASSIFICAÇÃO DOS EPIs

     Pode-se classificar os EPIs agrupando-se segundo a parte do corpo que devem proteger:


1.1 - Proteção para a cabeça
     Estes equipamentos podem ser divididos em protetores para cabeça, propriamente ditos, que são usados especificamente para o crânio, e protetores para os órgãos da visão e audição.
Exemplos de EPI para a cabeça:
- capacete
- protetor facial contra: impactos, respingos, radiações nocivas
- óculos de segurança contra impacto
- óculos para soldador: solda a gás
- máscara para soldador: solda elétrica
- protetor auditivo: tipo plugue
- protetor auditivo: tipo concha


1.2 - Proteção para os membros superiores
     Nos membros superiores situam-se as partes do corpo onde, com maior freqüência ocorrem lesões: as mãos.
Grande parte dessas podem ser evitadas através do uso de luvas, que impedem um contato direto com materiais cortantes, abrasivos, aquecidos ou com substâncias corrosivas ou irritantes.
Para a proteção dos membros superiores são usados:
- luvas de raspa de couro, reforçadas de couro, de lona, impermeáveis (borracha ou plástico), de amianto, de borracha especial (contra eletricidade)
- mangas de raspa de couro
- mangotes de raspa de couro


1.3 - Proteção para os membros inferiores
    
As pernas e os pés são partes do corpo que além de estarem sujeitas diretamente ao acidente, ainda mantêm o equilíbrio do corpo, Por esta razão os EPIs ganham dupla importância, ou seja, protegem diretamente os membros inferiores e evitam a queda, que pode ter conseqüências graves.

Exemplos de EPIs para os membros inferiores:
- sapatos de segurança: com biqueira de aço, com palmilhas de aço, com palmilhas de aço e biqueira de aço, com solado antiderrapante
- botas de segurança cano curto e cano longo
- botas de borracha
- perneiras de raspa de couro (normais)
- perneiras especiais (longas)
- polainas.


1.4 - Proteção para o tronco
     Aventais e vestimentas especiais são empregados contra os mais variados agentes agressivos. Os aventais podem ser:
- de raspa de couro
- de lona
- de amianto
- de plástico.


1.5 - Proteção das vias respiratórias
     Sua finalidade é impedir que as vias respiratórias sejam atingidas por gases, poeiras ou outras substâncias nocivas ao organismo. A máscara é a peça básica do protetor respiratório, podendo ser:
- semifacial
- facial
- de filtro
- com suprimento de ar
- contra gás, com filtro.

1.6 - Cinto de segurança
     Não têm finalidade de proteger esta ou aquela parte do corpo.
Destina-se a proteger o homem que trabalha em lugares altos, prevenindo quedas.
Exemplos: cinto com travessão, cinto com corda.

2 - GUARDA E CONSERVAÇÃO DOS EPIs
     De um modo geral, os EPIs devem ser limpos e desinfetados a cada vez em que há troca de usuário. É necessário que se ajude o operário a conservar seu equipamento de proteção individual, não só o conscientizando de que, com a conservação, ele estará se protegendo, como também oferecendo-lhe um local próprio para guardar o EPI após o seu uso. Sempre que possível, a verificação e a limpeza desses equipamentos devem ser confiadas a uma pessoa habilitada para este fim. Dependendo do caso, o próprio trabalhador pode se ocupar dessa tarefa, desde que receba orientação para isso.

3 - UTILIZAÇÃO ADEQUADA DOS EPIs
     É muito importante que todos dentro da empresa tenham consciência de quando e como utilizar os EPIs. Para tanto, os membros da CIPA, o supervisor de segurança e os responsáveis pelo treinamento da empresa devem estar atentos para uma verdadeira conscientização de todos que dependem do uso do EPI. Essa utilização deve atender às necessidades específicas, não devendo acontecer desnecessariamente ou ser de forma incorreta.

4 - EXIGÊNCIA LEGAL PARA EMPRESAS E EMPREGADOS
4.1 - Obrigações do empregador:
     Obriga-se o empregador quanto ao EPI, a:
a) adquirir o tipo adequado à atividade do empregado;
b) fornecer ao empregado somente EPi aprovado pelo MTA e de empresas cadastradas no DNSST/MTA;
c) treinar o trabalhador sobre o seu uso adequado;
d) tornar obrigatório o seu uso;
e) substituí-lo, imediatamente, quando danificado ou extraviado;
f) responsabilizar-se pela sua higienização e manutenção periódica;
g) comunicar ao MTA qualquer irregularidade observada no EPI.

4.2 - Obrigações do empregado:
     Obriga-se o empregado, quanto ao EPI, a:
a) usá-lo apenas para a finalidade a que se destina;
b) responsabilizar-se por sua guarda e conservação;
c) comunicar ao empregador qualquer alteração que o torne impróprio para o uso;

4.3 - Obrigações do fabricante:
     O fabricante do EPI deve ter seu estabelecimento registrado, para esse fim específico, em órgãos e repartições do governo federal, estadual e municipal.
a) nomenclatura, descrição e especificação do EPI;
b) indicação do uso a que se destina;
c) amostra do EPI, marcada com o nome do fabricante e o número de referência;
d) certificado de ensaio do EPI, emitido por um dos órgãos especializados.
    


VOLTA À PÁGINA ANTERIOR